Softwares antigos: piratear ou esquecer?

Alguns sites guardam, ainda que ilegalmente, diversos programas que fizeram sucesso no passado Por onde anda o Lemmings, aquele jogo para DOS que hipnotizou uma geração no início dos anos 90? Quem se lembra do SimCity 2000, que impressionou pelos gráficos avançados na missão de comandar uma cidade? E como seria navegar de novo pelo Netscape, o browser pelo qual muitos de nós acessamos a internet pela primeira vez? Softwares antigos carregam uma memória sentimental. E existem alguns baús na internet dedicados a preservar – mesmo que ilegalmente – tesouros da computação que fizeram história. Os sites não aparecem no topo da busca do Google, mas mantêm arquivos preciosos de milhares de “abandonwares”, como são chamados os programas e games vintage abandonados. Reprodução

SimCity 2000 foi um marco por causa dos gráficos avançados

Emulador

Para jogar games antigos, é preciso instalar emuladores. Saiba como fazer: Simular Para rodar os games antigos mecionados nesta reportagem, é preciso simular o ambiente original deles – o MS-DOS – com um emulador. O mais conhecido é o DOSBox Prepare Baixe o emulador no DOSBox.com e instale-o. Ele roda em Windows, Mac e Linux Regressey O emulador recria o DOS exatamente como antigamente: digite o comando e rode o game No celular O DOSBox tem versões que rodam até no Android Onde encontrarMyAbandonware.com tem jogos como California Games, Doom, SimCity 2000, Flight Simulator 1. O Vetusware.com tem works 1.05, Netscape 3, Windows 1.01, Fantavision, Nibbles. O conceito é difuso. Quan­­do um software fica obsoleto, o fabricante pode continuar o desenvolvimento, deixando para trás versões mais antigas, ou simplesmente abandoná-lo. Se o interesse comercial desaparece, o software cai em um limbo que o impede de ser vendido e distribuído por causa dos direitos autorais. Vira Abandonware. O termo abandonware não é unânime – há quem prefira “tecnologia órfã”, que classifica os produtos e plataformas abandonados pelos desenvolvedores. Um dos maiores sites dedicados aos games vintage é o MyAbandonware. O criador do site, o francês Baptiste Bernard, abriu seu primeiro site dedicado a games antigos em 2002, que depois foi fechado. Até que, em 2009, quando criou sua empresa, Bernard resolveu estender um braço dela dedicado ao abandonware. “O objetivo é oferecer a todos uma maneira de jogar de novo o game da infância e de manter disponíveis online o máximo de games raros e obscuros”, disse Bernard à reportagem. Só o MyAbandonware tem mais de quatro mil games distribuídos gratuitamente. Em geral, os fóruns – sempre descompromissados com a estética – oferecem jogos de várias épocas, versões antigas e softwares raros para preservar a computação vintage. Há dezenas deles pela web, incluindo brasileiros. “Eu me chateava muito com o fato de as empresas tirarem esses ótimos jogos do mercado”, diz Rafael V., administrador dos sites Abandoneer e o AbandonwareRing (ele prefere não se identificar por temer acusações de pirataria). “As empresas tornavam impossível comprar os jogos e não davam suporte para quem já havia comprado”, diz. Os downloads independentes ajudavam entusiastas a contornar a restrição. “A Microsoft matou o DOS lá pelo fim dos anos 90, e isso aumentou a dificuldade de jogar games velhos. E o abandonware ganhou mais força ainda.” Proibido A rigor, tudo isso é pirataria. “O abandonware não existe legalmente falando, é ilegal”, diz Bernard. No Brasil os softwares têm um prazo de proteção de 50 anos depois de sua criação. “Esse prazo é ridículo. Nenhum software produzido hoje continuará a ser comercializado daqui a 50 anos”, opina Sérgio Branco, pesquisador do Centro de Tecnologia e Sociedade da FGV-RJ. A lei criminaliza quem baixa e pessoas que divulgam os programas. Bernard nunca teve problemas com advogados, mas várias empresas já entraram em contato para pedir a remoção de certos games. “Todo pedido que recebemos de um dono legítimo é cumprido em 48 horas”, diz. Preservação Nos EUA, o Internet Archive contornou o problema. O projeto, dedicado a preservar a memória da internet e criar uma biblioteca pública online de obras digitalizadas, fez o governo abrir seis exceções na lei de copyright.