Commodore 64

Commodore 64

Situado numa posição intermediária entre os microcomputadores de uso doméstico e aqueles voltados para aplicações profissionais e administrativas mais amplas, o Commodore 64 podia ser considerado um sistema de alto desempenho no primeiro grupo e de desempenho médio no segundo grupo. Seu projeto, concebido inicialmente para aplicações em jogos com capacidade de síntese musical e gráficos em cores, foi bastante incrementado pela possibilidade de trabalhar com o sistema operacional CP/M, que o converte em um computador capaz de executar trabalhos mais elaborados e processar aplicações maiores. Nesse último caso, o usuário deveria necessariamente expandir a configuração básica da máquina com boa parte dos periféricos que o fabricante proporcionava para o equipamento (impressoras serial e paralela, joysticks, plotter, caneta ótica, acoplador acústico, etc.).                   O aspecto exterior da unidade central é praticamente idêntico ao do modelo mais limitado da Commodore, o VIC 20; quanto ao desempenho, porém, o Commodore 64 situa-se entre aquele e os modelos profissionais do mesmo fabricante. Todo o software desenvolvido para sua linha de computadores pessoais pode ser adaptado facilmente para execução no modelo 64.

  O Commodore 64 era um micro pessoal voltado tanto para aplicações domésticas e jogos quanto para tarefas administrativas. Estas últimas facilitadas pela possibilidade de trabalhar com o sistema operacional CP/M.

Unidade central

A unidade central é composta principalmente por quatro circuitos integrados, cada um deles especializado numa determinada função. O primeiro é a unidade central de processamento (UCP) baseada no microprocessador 6510 de 8 bits (uma versão avançada do popular 6502), que contém a unidade de controle, e unidade aritmético-lógica e os registradores de uso geral. O segundo é a pastilha 6566 VIC-11 (Video Interface Chip), um circuito integrado NMOS, especializado como interface de vídeo. O 6581 SID (Sound Interface Device) é encarregado da interface de som; nele se encontra integrado um sintetizador musical completo do tipo Moog, controlado digitalmente. Por último, vem o 6526 CIA (Computer Interface Adaptor), como os anteriores desenvolvido segundo a tecnologia NMOS; sua função é controlar os periféricos que podem ser conectados ao Commodore 64.                   A especialização atribuída a cada circuito libera a UCP do controle dos periféricos, permitindo que seu trabalho se concentre na realização de tarefas próprias, tais como: operações lógicas e aritméticas, endereçamento de memória, etc.                   A memória ROM versão básica é de 20 kbytes, e nela se encontram o sistema operacional, o interpretador BASIC e o conjunto de caracteres próprios do Commodore. A memória RAM, do usuário (não ampliável), é de 64 kbytes. É formada por oito circuitos integrados do tipo MOS dinâmico, com refresh a cargo de uma das áreas internas do chip controlador de vídeo. O espaço da memória RAM do usuário pode ficar reduzido quando se faz o carregamento de algumas áreas da ROM; no caso extremo, o usuário dispõe do mínimo de 38 kbytes.                   Merecem menção especial as possibilidades de geração de sons e ruídos propiciados pelo sintetizador do Commodore 64. Ele dispõe de três geradores de sinais, com controle de freqüência entre 0 e 4 KHz, que podem produzir sinais triangulares, em dente de serra, quadrados (com amplitude de pulsação variável) e de ruído; três geradores de envelope de resposta exponencial, com controles independentes para tempos de início, declínio, parada a nível de sustentação; três outros moduladores de amplitude e um filtro programável com freqüência de ressonância variável, disponível nas configurações de passa-alto, passa-baixo, passa-banda ou rejeição de banda completam o dispositivo de síntese de som. Essa seção conta ainda com uma entrada externa de áudio, cujo sinal pode ser processado pelo filtro interno do sintetizador. As comunicações com o exterior se realizam através de duas portas de acesso: uma paralela, de 10 bits (8 bits de dados mais 2 de sincronização), a outra serial RS-232C, embora, para operar plenamente, esta última necessite de um cartucho adaptador de níveis de tensão.                   Além disso, dispõe de três conectores para expansão a de conexões para joysticks ou caneta ótica.

O aspecto exterior da unidade central é muito semelhante ao do VIC 20. O mesmo, contudo, não ocorre com a sua capacidade e potência, bastante superiores às de seu antecessor na família de microcomputadores da empresa Commodore.

As comunicações com o exterior se estabelecem através de duas portas: uma paralela de 10 bits e outra do tipo serial (RS-232C)

A unidade central de processamento é constituída pelo microprocessador 6510 da MOS Technology, inteiramente compatível com o tradicional 6502, do mesmo fabricante.

Na lateral direita da unidade central encontram-se, além da conexão com a rede e o interruptor de potência, os conectores para joysticks e caneta ótica.

Teclado

O teclado (alojado no mesmo móvel da unidade central) dispõe de 66 teclas agrupadas em dois blocos: 62 teclas no formato de máquina de escrever (teclado QWERTY) e 4, à direita, que são programáveis pelo usuário. Cada uma dessas teclas pode ter sua função duplicada, de modo que correspondem a oito funções programáveis.                   O movimento de cursor se realiza por meio de duas teclas situadas na parte inferior, à direita, que permitem deslocá-lo nos quatro sentidos.                   Entre as funções que o teclado proporciona de forma direta, podemos citar a de RUN/STOP e a de INSERT/DELETE, com as quais se comanda o início e a parada de um programa a se comanda a inserção ou eliminação de caracteres na tela, respectivamente.

Vídeo

  A configuração básica não inclui esse periférico. Opcionalmente, pode-se conectar um televisor doméstico ou um monitor de vídeo (monocromático ou em cores). Em ambos os casos, porém, a apresentação se realiza no formato de 25 linhas de 40 colunas. Em modo gráfico, o vídeo possui uma resolução de 320 x 200 pontos.                   Escolhendo a opção em cores, conservam-se as características mencionadas anteriormente e se acrescentam outras novas, algumas das quais veremos a seguir: é possível apresentar dezesseis cores no vídeo ao mesmo tempo; pode-se mudar a cor de um determinado caractere, independentemente dos demais; o número máximo de combinações fundo/caractere é 255.                   Outra característica importante na programação de jogos é que o usuário pode definir até 8 sprites (planos gráficos) de 24 x 21 pontos, cada qual com sua própria prioridade no vídeo a podendo se mover por todo ele, de pixel em pixel.                   Por meio de comandos em BASIC, é possível detectar a colisão entre os diferentes blocos e também uni-los para representar figuras maiores. Todos os caracteres (gráficos e de texto) podem ser também apresentados em vídeo inverso.

Memórias auxiliares

  O Commodore 64 dá ao usuário a opção de acoplar tanto gravadores a cassete quanto unidades de disquete. O fabricante produzia de um gravador-reprodutor de cassetes denominado Datasette 1530, especialmente projetado para trabalhar com informação digital e que é diretamente conectável à parte traseira do console da unidade central. Da mesma forma, através da porta serial conectam­se até quatro unidades de discos flexíveis de 5 1/4 polegadas com 170 kbytes de capacidade cada. Essas unidades (denominadas pelo fabricante VIC 1541) contêm na memória ROM interna todo o sistema operacional e um microprocessador próprio, necessários ao controle do dispositivo. Pode-se também trabalhar com a unidade de disquete VIC 1540 mediante o acréscimo de um cartucho ROM projetado para controlar este periférico.

O Commodore 64 permite a conexão de até quatro unidades para disco flexível de 5 1/4, com uma capacidade de 170 kb por disco (VIC 1541)

Vários módulos funcionais podem ser conectados independentemente às três ranhuras de expansão localizadas na região traseira.

Software básico

O sistema operacional em sua configuração básica, denominado KERNAL, é exclusivo do Commodore e reside na ROM interna, ocupando uma área de 8 kbytes. O Commodore 64 pode operar também com o sistema CP/M, desde que se conecte ao soquete para cartuchos ROM o módulo que contém esse sistema. Este módulo é controlado por um microprocessador Z 80 que converte o Commodore 64 num sistema versátil, capaz de executar software elaborado para o CP/M, e que contém milhares de programas facilmente disponíveis. A linguagem de programação oferecida para a versão mínima é o BASIC 2.0 da Microsoft, cujo interpretador ocupa 8 kbytes na ROM básica. Mediante um cartucho se pode dispor de um BASIC estendido, que amplia as capacidades gráficas, musicais a de utilização de cor. Podem ser usadas outras linguagens adicionais como FORTH, LOGO (em cartuchos) a outras linguagens voltadas para disquete, como: UCSD, PASCAL, COMAL e ASSEMBLER.

Apesar de a linguagem que acompanha o equipamento ser o Basic, pode-se incorporar módulos interpretadores de outras linguagens ao modelo 64. O Commodore 64 dispõe  de conectores para a adaptação direta de joysticks.

Características básicas

Fabricante: Commodore Ano: 1982 País: U.S.A. CPU: 6510  Velocidade: 0.985 MHz (PAL) / 1.023 MHz (NTSC) Coprocessadores: VIC II (Video), SID (Som) Rom: 20 KB (ROM ampliável com cartucho removível) Ram: 64 KB Teclado: Tipo QWERTY de 66 teclas (4 delas programáveis pelo usuário), não incorpora teclado numérico. Video: texto: 40 x 25, gráfico:  320 x 200, 16 cores para fundo/caractere e possibilidade de vídeo inverso.  Som: 3 vozes / 6 oitavas Memória auxiliar: Fita cassete: dispõe de um conector para adaptação direta de gravador cassete digital Datassete 1530. Disco flexível: até 4 unidades de 170 kb por disquete de 5 1/4 (VIC 1541)  Entrada/Saída:  RGB, Video Composto, Joystick, cartuchos, Cassete, Serial, User Port(RS232 compatible), TV Sistema Operacional: KERNAL, exclusivo da Commodore, CP/M em cartucho ROM.

 

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *